junho 14, 2019

GREVE GERAL – O POVO DO RECÔNCAVO DIZ NÃO À REFORMA DA PREVIDÊNCIA E AOS CORTES NA EDUCAÇÃO

GREVE GERAL – O POVO DO RECÔNCAVO DIZ NÃO À REFORMA DA PREVIDÊNCIA E AOS CORTES NA EDUCAÇÃO

Mais uma vez, o Recôncavo da Bahia deu uma aula de resistência e luta, saindo às ruas nesta sexta-feira (14), dia da Greve Geral, para dizer ao governo Bolsonaro que não aceita a reforma da previdência e os cortes nas verbas da educação. Não apenas as atividades da UFRB foram paralisadas, a greve também contou com o apoio das escolas municipais e estaduais e dos sindicatos da região, entre eles a APUR e a ASSUFBA.

Em Cruz das Almas, por exemplo, a Embrapa parou as atividades e se juntou à manifestação. Na cidade de Cachoeira, a APUR se uniu ao movimento estudantil, ao movimento sem teto e representações quilombolas em um ato na feira livre da cidade. As ruas do comércio de Amargosa foram tomadas por manifestantes exigindo que Bolsonaro tire as mãos da aposentadoria dos/as trabalhadores/as.

Nossos/as docentes de Feira de Santana e Santo Antônio de Jesus também foram à luta contra o desmonte que o governo pretender fazer na previdência e na educação pública. Mesmo em cidades diferentes, o significado e propósito são os mesmos. O povo parou suas atividades para dizer a Bolsonaro que não aceita a reforma da previdência, e que a educação pública tem que ser de qualidade, com os recursos necessários.

Como categoria docente, a nossa ida às ruas foi (no dia de hoje) e sempre será muito importante. Através de nossa intervenção nessas cidades, pudemos levar à população, que se baseia, muitas vezes, apenas naquilo que as mídias transmitem, uma outra informação. Fizemos ecoar a mensagem de que a reforma da previdência vem para tirar direitos da classe trabalhadora, que ela só vai acentuar ainda mais as desigualdades.

A Greve Geral foi mais uma das muitas batalhas que a classe trabalhadora terá que enfrentar para derrubar as propostas nefastas desse governo. Sigamos, a Luta continua. Nenhum direito menos!