APUR PARTICIPA DE ATOS PELO FORA BOLSONARO EM CIDADES DO RECÔNCAVO

APUR PARTICIPA DE ATOS PELO FORA BOLSONARO EM CIDADES DO RECÔNCAVO

No último sábado (2), o Brasil foi palco de inúmeros atos pelo Fora Bolsonaro. Segundo dados das centrais sindicais, os atos ocorreram em todas as capitais do país e em mais de 300 outras cidades do país e do exterior. Obviamente, as cidades do Recôncavo em que a UFRB está presente não ficaram de fora da luta.

Com apoio da APUR, partidos políticos e movimentos sociais, cidades como Amargosa, Santo Antonio de Jesus, Cruz das Almas e Cachoeira também tiveram atos pelo Fora Bolsonaro e contra a Reforma Administrativa.

A professora Clara Lima, representante sindical docente no CFP, explicou que, em Amargosa, docentes participaram do ato convocado por um conjunto de organizações da região – APLB Sindicato, Sindicato dos Comerciários de Amargosa (SINTRACAM), Partido dos Trabalhadores (PT) de municípios da região, Diálogo e Ação Petista (DAP), Coletivo de Mulheres Luíza Mahin e Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

Além de seguir o mote nacional do Fora Bolsonaro, o ato teve outras pautas como o fim da fome e carestia, do desemprego, contra os altos preços do gás de cozinha, combustível e alimentos, defesa de um auxílio emergencial justo para as famílias trabalhadoras durante a pandemia, e dos direitos das mulheres, que majoritariamente são chefes de família e estão lidando diariamente com os altos preços dos alimentos, precarização do trabalho e desemprego em meio à pandemia.

Segundo a professora Clara, no ato, a APUR defendeu o cancelamento da PEC 32, “que representa o desmonte dos serviços públicos, a exemplo do fim do SUS, da educação pública e das universidades, e a recomposição do orçamento da UFRB, que só pode cumprir o seu papel no interior da Bahia se ofertar com qualidade atividades de ensino, pesquisa e extensão para toda a população da região”, complementou a professora.

Na avaliação da representante sindical do CFP, o ato foi um dos maiores da região e deixou como tarefa o fortalecimento da articulação entre os movimentos sociais, organizações e partidos políticos “contra o governo Bolsonaro e sua política de morte, que já soma mais de 600 mil mortes por COVID-19, 14,8 milhões de desempregadas/os e um conjunto de retrocessos nos direitos, que precisam ser combatidos coletivamente e nas ruas.”.

Em Santo Antônio de Jesus, foi realizado um ato de panfletagem e conversa com a população na Praça do Andaiá, em apoio ao Dia Nacional de Luta pela democracia, contra a Reforma Administrativa (PEC-32), em defesa dos serviços públicos e contra o atual desgoverno no Brasil. Diversos grupos sociais estiveram presentes.

Representando a APUR no ato, a professora Djenane Brasil colocou que o que se viu foi uma elevada aceitação da população, “ansiosa por saber formas de se engajar na luta e saudosa das gestões de Lula e Dilma, onde diziam “a gente tinha o que comer”. O tom geral foi apoio ao ato pelos transeuntes e o nome do ex-presidente Lula era com frequência evocado, na expectativa de um futuro melhor”, acrescentou a professora.

Ainda em sua opinião, o ato foi um ótimo termômetro das expectativas do povo brasileiro. “Esperamos que esse povo seja ouvido pelo Congresso e Senado barrando a Reforma Administrativa e encaminhando um, ou alguns, do pedidos de impedimento já protocolados. Na nossa terra se diz: “Quem não deve, não teme”,” finalizou a Djenane Brasil.

Como nas demais cidades, em Cruz das Almas, a APUR se juntou a outros sindicatos e movimentos sociais da região para ir até a população que, na visão da professora Leila Longo, diretora da APUR, é “a mais atingida de forma mais contundente por uma política de valorização do grande capital, que fecha os olhos para as necessidades mais básicas de um povo cada vez mais empobrecido”.

A professora ainda descreve esta política como a que distancia a cada dia a população de uma alimentação digna, do cuidado à saúde e do acesso à educação. “Ouvimos o povo, as suas perdas decorrentes da COVID-19, as suas dores e seus medos. Levamos informações sobre a situação atual política e econômica e as consequências ainda mais desastrosas de uma aprovação desta reforma administrativa (PEC 32) que tramita no governo. Procuramos acender a força de cada trabalhador, em meio a tanta tristeza, na conscientização de que só o povo tem o poder de mudar esse cenário político que se instalou como uma nuvem negra sobre o país, por meio da sua mobilização, da sua voz nas ruas, exigindo o seu reconhecimento e o acesso aos seus direitos fundamentais como cidadão”, foi o resumo que a professora Leila fez sobre o ato do dia 2 de outubro.

A mobilização em Cachoeira começou antes do dia 2, com a ida do professor Jorge Cardoso Filho, representante sindical do CAHL, à rádio Paraguassu para falar sobre a Reforma Administrativa. Depois dessa intervenção na rádio, o movimento ganhou a adesão de alguns partidos políticos da cidade, sobretudo do PT e do PCdoB.

O professor Jorge explicou que um carro de som rodou pela cidade com a gravação contra a Reforma Administrativa e pelo Fora Bolsonaro. “Ficamos na câmara de vereadores, que é a praça de símbolo da independência do Brasil na Bahia, e a gente acha que era importante fazer. Na minha avaliação, a gente fez mais uma construção para qualificar as atuações nas próximas manifestações, foi importante para aproximar desses movimentos sociais daqui da região, e a gente segue na luta agora para derrubar essa Reforma Administrativa e derrubar esse governo”, pontuou o professor Jorge.

GALERIA DE FOTOS
AMARGOSA
CACHOEIRA
CRUZ DAS ALMAS
SANTO ANTONIO DE JESUS