EM DEFESA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS
RETIRA A REFORMA JÁ! Audiência Pública na Câmara de Vereadores de Feira de Santana

EM DEFESA DOS SERVIÇOS PÚBLICOSRETIRA A REFORMA JÁ!  Audiência Pública na Câmara de Vereadores de Feira de Santana

Na manhã desta sexta-feira (1), a APUR, representada pelo professor José Arlen Beltrão, compôs a mesa de Audiência Pública da Câmara Municipal de Feira de Santana, que discutiu os Impactos da Reforma Administrativa para os servidores e serviços públicos.

Em sua fala, o representante da APUR começou afirmando que o que estamos enfrentando hoje é o mais brutal ataque aos servidores públicos e aos seus direitos, e que o propósito seria, no fundo, destruir os serviços públicos. “Para destruir os serviços públicos, é necessário acabar com o servidor público. Não é possível oferecer um serviço público de interesse público sem o servidor público”, explicou José Arlen.

O professor citou a educação e a saúde como exemplos de serviços públicos que serão afetados com a reforma. Em sua visão, uma educação de qualidade passa por estabilidade, que permite autonomia pedagógica e liberdade de cátedra, por sua vez, uma saúde de qualidade, que cuide efetivamente do povo, passa por condições de trabalho, por carreira, por autonomia; pontos que serão drasticamente atingidos pela PEC 32.

A grande verdade, pontuou o professor, é que querem privatizar os serviços públicos, passar as verbas dos serviços públicos para a iniciativa privada, deixar os ricos mais ricos e os pobres mais pobres. “Nunca a população brasileira precisou tanto dos serviços públicos. São 14 milhões de desempregados, 30 milhões de desalentados, o povo voltou a passar fome. Aqueles que defendem a reforma administrativa são os mesmos que defenderam e aprovaram a reforma trabalhista, a reforma da previdência e a PEC dos gastos”, afirmou José Arlen.

Para o presidente da APUR, querem sucatear para acabar com o serviço público e aumentar o sofrimento do povo brasileiro, mas que não podemos deixar. O professor ainda faz um alerta, ao lembrar que, caso a reforma seja aprovada, dará prerrogativa ao chefe do executivo (presidente, governadores) de transformar ou extinguir as autarquias que, nesse caso, são as universidades públicas. “A UFRB, que é uma conquista do povo do Recôncavo, do povo de Feira de Santana, do povo da Bahia, assim como as demais universidades públicas, ficam sob risco”, alertou o professor.

Por fim, o professor José Arlen falou da tarefa que é a luta contra a reforma administrativa. Elencou a necessidade de cobrar a cada parlamentar e cada liderança dos munícipios uma posição, porque, em sua visão, o que está em jogo é a defesa do serviço público ou a destruição do serviço público.

Nesse momento, o que é mais importante é ampliarmos a mobilização, criarmos uma frente ampla que coloque o fim nesse governo, e dentre essas inciativas imediatas, amanhã, dia 2 de outubro, é a mais importante, ocuparmos as ruas, darmos um recado forte a esses parlamentares, para que derrotemos essa reforma, coloquemos fim nessa PEC 32 e também no governo Bolsonaro, porque ninguém aguenta mais. FORA BOLSONAEO E SEUS GENERAIS!”, finalizou o representante da APUR.

Agenda de atividades do FORA BOLSONARO, nesse 2 de outubro:

Amargosa: caminhada com carro de som e panfletagem pelas ruas da cidade, com concentração na Praça dos Correios às 9 horas;

Santo Antonio de Jesus: Panfletagem pelo Fora Bolsonaro no bairro Andaiá, das 8 às 10 horas;

Cruz das Almas: Panfletagem na feira livre, com concentração às 8h30min em frente à prefeitura;

Cachoeira: Concentração na praça 25 de junho, às 9 horas, e saída pelas ruas da cidade a partir das 10 horas, indo em direção à UFRB;

Feira de Santana: Ato público às 9 horas, na praça José Falcão;

Salvador: Concentração às 10 horas, no Campo Grande.